top of page
Buscar

Nota de repúdio à retirada de Samantha Vitena em voo da Gol


Agentes da Polícia Federal corroboraram com ilegalidade e racismo de comissários.

O SINTUFF se soma a todas as manifestações de repúdio ao ato racista e machista cometido em voo da Gol Linhas Aéreas contra a passageira Samantha Vitena, mulher negra, mestranda do Programa de Pós-Graduação em Bioética, Ética Aplicada e Saúde Coletiva (PPGBIOS), vinculado a diversas universidades, entre elas a UFF.

Comissários da empresa deram ordem para que Samantha despachasse sua mochila, com seu computador, instrumento de trabalho e estudo, fato que evidentemente colocaria em risco a integridade do aparelho. Inclusive o próprio site da empresa afirma que esse aparelho somente pode ser despachado como bagagem de mão, contradizendo a atitude dos comissários. Além da medida covarde protagonizada de forma vexatória pela empresa através de seus representantes no voo, a Polícia Federal (PF) foi chamada a retirar Samantha do voo, sem justificativa e sob forte indignação e protestos dos demais passageiros.

A violência contra Samantha fica ainda mais latente, tendo em vista que o problema de acomodação de sua bagagem já havia sido resolvido, comprovando ser ainda mais injustificável a truculência a qual a pesquisadora foi submetida por tentar preservar uma aparelho imprescindível ao seu trabalho. É inaceitável a agressividade verbal, psicológica e física machistas e racistas a que Samantha foi vítima, com aval de autoridades policiais, que no cumprimento da lei deveriam repreender os comissários e não a passageira, diante do flagrante crime de racismo diante de dezenas de testemunhas que filmaram o deplorável ocorrido.

Não aceitamos em nenhuma hipótese que práticas racistas e machistas sejam disfarçadas de protocolos e padrões de segurança para justificar crimes dessa natureza. O SINTUFF manifesta plena solidariedade à Samantha e se soma a todas as vozes que cobram rigorosa investigação dos fatos, punição à empresa, aos seus funcionários envolvidos, assim como aos agentes públicos que corroboraram com essa ação criminosa contra Samantha.

bottom of page