top of page
Buscar
  • Foto do escritorSINTUFF

Acompanhe a retrospectiva da greve, que completou um mês

Atualizado: 12 de abr.

Ato unificado no Centro do Rio (Foto: Jesiel Araujo)

Completou um mês a greve dos técnico-administrativos das Instituições Federais de Ensino Superior, convocada pela FASUBRA Sindical, em âmbito nacional, e pelo SINTUFF, em âmbito local. A greve foi deflagrada no dia 11 de março. Apesar da irredutibilidade do governo em relação ao reajuste salarial para 2024, a pressão do movimento grevista forçou a retomada das negociações e estabeleceu avanços.


Foi derrotada a política do governo de bloquear negociações com categorias que estivessem em greve, uma prática flagrantemente antissindical. O governo encaminhou o reajuste dos benefícios referentes a maio de 2024 e recuou sobre o reajuste linear de 4,5% em 2025 e 4,5% em 2026, encaminhando a negociação dos reajustes e reestruturação das carreiras para mesas específicas de cada categoria.

Confira a retrospectiva, ilustrada com inúmeros registros fotográficos, desse primeiro mês de greve:


18 de janeiro

Direção Nacional da FASUBRA, seguindo deliberação da Plenária Nacional da Federação, define o indicativo de dos técnico-administrativos das Instituições Federais de Ensino Superior (IFES) o dia 11 de março.

 

6 de março

O Conselho Universitário (CUV) da Universidade Federal Fluminense, reunido para sua sessão do mês de março, aprovou Carta de Apoio à greve dos técnico-administrativos, por decisão unânime dos presentes.


7 de março

A Assembleia Geral do SINTUFF reunida no Auditório da Faculdade de Economia, deliberou por unanimidade a deflagração de greve por tempo indeterminado a partir do dia 11 de março, seguindo a orientação da FASUBRA Sindical, por reajuste salarial, reestruturação da carreira e recomposição do orçamento das universidades.

 

8 de março

Reunião sobre a greve com os servidores(as) das unidades do Interior agrega mais de 80 técnico-administrativos(as), denotando grande interesse da categoria.


9 de março

Plenária Virtual da FASUBRA Sindical ratifica o indicativo de deflagração de greve da FASUBRA para o dia 11 de março 


11 de março

Começa a greve. Instalação do Comando Local de Greve, nos jardins da Reitoria. 


11 de março

Representação do Comando Local de Greve (CLG) esteve em audiência com o vice-reitor Fabio Passos, pró-reitores e demais representantes da gestão da universidade, para debater aspectos relacionados à greve. Os temas mais relevantes abordados foram os serviços essenciais e a questão do registro de ponto/entregas.


 

12 de março

A primeira Assembleia de Greve, realizada na Escola de Serviço Social (Campus Gragoatá), aprova a manutenção da greve, delimita um posicionamento inicial da categoria sobre os serviços essenciais a serem mantidos e elege representação do SINTUFF para o Comando Nacional de Greve.

 

13 de março

Com mais de 50 presentes, reunião com servidores de Bibliotecas e Arquivos debate a construção da greve e encaminhamentos.

 

14 de março

O vice-reitor Fabio Passos, acompanhado de pró-reitores e outros representantes da gestão, esteve reunido com o Comando Local de Greve (CLG) do SINTUFF em audiência para tratar de assuntos relativos à greve, seus impactos para a universidade e à vida funcional dos servidores que aderiram. A Audiência afastou retaliações à greve e reafirmou diálogo sobre os serviços essenciais e prioritários.

 

14 de março

Reunião de greve no Hospital Universitário Antonio Pedro (HUAP).

 

17 de março

Os Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica, representados pelo Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (SINASEFE) decidem deflagrar greve a partir de 3 de abril.

 

18 de março

O Diretório Central dos Estudantes Fernando Santa Cruz (DCE-UFF) publica nota de apoio à greve dos técnico-administrativos.

 

18 de março

Atividade de greve e diálogo com a comunidade universitária na UFF de Volta Redonda.

 

19 de março

A Assembleia Geral do SINTUFF aprova a continuidade da greve, atividades de mobilização e recebe manifestações de solidariedade por parte de representantes do SEPE Niterói, do DCE-UFF, de centros e diretórios acadêmicos, de coletivos estudantis e docentes.

 

20 de março

Atividade de greve no Polo Universitário de Rio das Ostras (PURO).

 

20 de março

Atividade de greve na UFF em Macaé.

 

21 de março

O Comando Local de Greve (CLG) do SINTUFF participa de nova audiência convocada pela reitoria para debater sobre os serviços essenciais. Os consensos estabelecidos entre a gestão da UFF e os grevistas foram registrados em ata.

 

22 de março

A deflagração da greve docente para o dia 15 de abril foi indicada pelo Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (ANDES-SN), com base no resultado das assembleias realizadas nas seções sindicais, que referendaram a decisão congressual pela necessidade de greve.

 

22 de março

Atividade de Greve junto aos servidores da UFF em Santo Antônio de Pádua.

 

25 de março

Comando Local de Greve distribui Carta Aberta dos Estudantes para dialogar sobre as razões da paralisação da categoria por tempo indeterminado.

 

25 de março

O Comando Local de Greve (CLG) do SINTUFF esteve reunido com a Superintendente do Hospital Universitário Antonio Pedro (HUAP), Verônica Alcoforado de Miranda, a chefe do Gabinete do Reitor, Laura Antunes Maciel, chefias de setores do hospital e representantes do setor de Recursos Humanos da universidade. A Audiência avançou em garantir isonomia no exercício do direito de greve para servidores do HUAP.

 

25 de março

Reunião para informes e planejamento das atividades de mobilização da greve com os servidores de Volta Redonda.

 

26 de março

Servidores do Restaurante Universitário (RU) e do Comando Local de Greve (CLG) do SINTUFF em audiência de negociação junto à Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis (PROAES). Proposta pelo sindicato, a reunião teve por objetivo debater a demanda da reitoria pelo funcionamento parcial do RU durante a greve.

 

26 de março

Em uma assembleia com bom quórum e muitos(as) novos(as) servidores(as), por unanimidade, foi aprovada a continuidade da greve na UFF.

 

26 de março

Estudantes da Universidade Federal Fluminense (UFF), reunidos no campus Gragoatá, em Niterói (RJ), aprovaram indicativo de construção da greve estudantil. Também deliberaram pelo apoio aos movimentos paredistas do segmento técnico-administrativo, já em greve, e de docentes, cuja deflagração da greve já foi aprovada nacionalmente.


 

27 de março

Reunião debate pautas de Aposentados, Aposentandos e Pensionistas.

 

27 de março

Reunião setorial no Colégio Universitário Geraldo Reis (COLUNI).

 

27 de março


Reunião setorial na Escola de Enfermagem.

 

28 de março

Comando Local distribui Carta Aberta à População sobre a greve no Hospital Universitário Antonio Pedro.

 

28 de março

Reunião dos três segmentos (ADUFF, DCE-UFF e SINTUFF) pauta ações unitárias e calendário de luta em comum pela recomposição orçamentária, com a possibilidade de greve unificada da educação.

 

1 de abril

Atividade de convencimento pela greve com visita aos setores, no Campus Valonguinho.

 

1 de abril

Em audiência, realizada na segunda-feira (1) entre a Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis (PROAES) e o Comando Local de Greve (CLG) do SINTUFF, foi debatida a reabertura parcial do Restaurante Universitário (RU). Após a audiência, a reitoria anunciou em suas mídias que havia aceitado a proposta, apresentada pelo CLG, de reabertura parcial do Restaurante Universitário, a partir do dia 9 de abril. A Assembleia do SINTUFF (2) referendou a proposta construída pela base técnico-administrativa do RU junto ao CLG e acolhida pela reitoria.

 

2 de abril

O SINTUFF realizou mais uma Assembleia de Greve, nesta terça-feira (2), na Escola de Serviço Social e deliberou de forma unanime pela continuidade do movimento paredista. Novamente, mais de 100 servidoras e servidores assinaram a lista de presença, demarcando um importante engajamento no espaço deliberativo. Assembleia aprovou a continuidade da greve, Grupo de Trabalho sobre a carreira e escolheu representantes ao Comando Nacional de Greve.

 

2 de abril

Plenária Unificada dos três segmentos apontou ações conjuntas em defesa do orçamento das universidades e das pautas de docentes, estudantes e técnico-adm.

 

3 abril

Ato unificado em defesa da educação, com o SINTUFF e o SEPE/Niterói, em frente ao HUAP.

 

3 de abril


Categorias do serviço público federal e estudantes se somaram em um importante ato unificado, que caminhou da Candelária à Cinelândia, no Centro do Rio de Janeiro. O SINTUFF mais uma vez se fez presente através de uma grande coluna, com suas bandeiras, faixas, camisas e muita animação para defender reajuste salarial, reestruturação da carreira e recomposição orçamentária da educação federal. Servidoras e servidores dos mais diversos setores e campi da UFF se fizeram presentes.

 

4 de abril

O Comando Local de Greve (CLG) reuniu-se com a reitoria, representada pelo vice-reitor Fabio Passos, em audiência. Os principais temas abordados foram relativos ao Colégio Universitário Geraldo Reis (COLUNI), ao Hospital Universitário Antonio Pedro (HUAP) e à assistência estudantil. O vice-reitor posou para uma foto com o CLG vestindo a camisa da greve, em apoio às reivindicações do segmento técnico-administrativo em greve.


4 de abril

Reunião de organização da greve em Volta Redonda 


8 de abril

Reunião setorial no Hospital Universitário Antonio Pedro.

 

8 de abril

Reunião setorial na Faculdade de Educação.

 

9 de abril


A Assembleia Geral do SINTUFF delibera pela continuidade da greve. As resoluções aprovadas demonstraram responsabilidade do movimento de greve frente a serviços prioritários para a comunidade universitária, mas enfatizaram a firmeza da categoria diante de pressões que ferem o exercício do direito de greve.

 

9 de abril

O Comando Local de Greve (CLG) do SINTUFF fez uma saudação à Assembleia de docentes, convocada pela ADUFF, chamando à construção unitária da luta em defesa da recomposição dos salários, reestruturação das carreiras e por verbas para as universidades.

 

10 de abril

Reunião setorial de Greve no Instituto de Química.

 

10 de abril

Em mesa de negociação com as categorias, o governo se manteve irredutível sobre o reajuste zero para o funcionalismo público federal em 2024. Em relação aos benefícios (Auxílio-Alimentação, Auxílio-Saúde e Auxílio-Creche), o governo se comprometeu a reajustá-los, assim como encaminhou as negociações relativas à reestruturação de carreiras e reajustes de remuneração para as Mesas Específicas e Temporárias. Por pressão das categorias, foi suprimida da proposta do governo uma cláusula antissindical que bloqueava negociações com categorias que estivessem em greve.

 

11 de abril

O Comando Local de Greve realiza uma panfletagem de um mês de greve no Hospital Universitário Antonio Pedro (HUAP). Foi entregue uma carta do Comando Local de Greve direcionada aos trabalhadores concursados pela EBSERH.

 


Commenti


bottom of page