Reitor manobra e extingue comissão das 30 horas

04/09/2018

 Mais uma vez o reitor Sidney Mello demonstra seu total descompromisso com a regulamentação das 30 horas. Alegando estar cumprindo uma imposição do Tribunal de Contas da União (TCU), Sidney Mello decretou que está revogada a portaria que instituía a comissão paritária e dava respaldo institucional às 30 horas. Antes o reitor já havia descumprindo o compromisso de assinar o documento que regulamentaria a jornada de trabalho, elaborado pela comissão paritária.

Acompanhado de um procurador da UFF, Sidney Mello repassou o documento do TCU aos membros da comissão paritária, durante reunião em seu gabinete (3/9). A leitura do documento, contudo, não confirma em nenhum ponto a obrigatoriedade de revogar imediatamente a portaria em vigor ou qualquer impossibilidade em assinar o texto elaborado pela comissão paritária. O documento do TCU sequer é capaz de versar sobre a regulamentação proposta pela comissão paritária, já que esta jamais esteve assinada pelo reitor.

Questionado pelos representantes da categoria sobre qual regime de trabalho valeria a partir da revogação da Portaria, o reitor disse que assinaria uma nova Portaria, escrita com a supervisão da Advocacia Geral da União (AGU), que manteria as 30 horas. No entanto Sidney Mello não detalhou o que haveria de diferente nesse documento em relação ao texto aprovado por consenso pela comissão. O procurador mais uma vez insistiu no velho debate da setorização das 30 horas. Ficou obscuro o que o reitor pretende escrever nesta nova portaria. Na reunião anterior com a comissão, como proposta, Sidney Mello inseriu a Norma do Ponto Eletrônico dentro do texto aprovado anteriormente e mudou a nomenclatura do documento, o que não foi aceito pela comissão. Uma semana depois o reitor extingue a comissão.

O TCU apenas convoca uma audiência sobre o que o Tribunal considera como “ato de gestão ilegal”. Apesar dessa posição do TCU, o documento apresenta um prazo de quinze dias para o reitor apresentar suas justificativas. Em vez de apresentar sua defesa, Sidney Mello optou por revogar a comissão muito antes do prazo de mais de duas semanas para se justificar. Além disso, o reitor utilizou o documento do TCU para, de forma descabida, descartar o documento confeccionado pela comissão paritária, regulamentação esta que jamais esteve sob qualquer pressão de nenhum órgão de controle, tendo em vista que jamais fora assinada.

A comissão paritária construiu o documento conforme orientação jurídica acerca da legislação e precedentes de outras instituições. O reitor usa uma intimação do TCU que, apesar de falar em ato ilegal, não traz maiores detalhes. Em resumo:

 

1 - Não existe nada escrito pelo TCU que condene a regulamentação proposta pela comissão paritária.

 

2 - O reitor não precisava revogar nenhuma Portaria antes de apresentar defesa junto ao TCU. Poderia agir e recorrer conforme o desenrolar do processo.

 

Nesta quarta-feira (5/3), haverá Assembleia Geral do SINTUFF, no refeitório do HUAP, às 14 horas, na qual o principal ponto de pauta abrangerá as 30 horas e o ponto eletrônico. Diante da enrolação e das manobras do reitor, fica cada dia mais inevitável a necessidade de uma mobilização da categoria aos moldes da greve de 2016, tendo em vista que o reitor tenta retroceder a debates que haviam sido superados no acordo de greve.

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Após pressão, reitoria suspende atividades da UFF no recesso de final de ano

31/10/2019

1/10
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo