top of page
Buscar
  • Foto do escritorSINTUFF

DCE-UFF emite nota em apoio à greve da categoria técnico-administrativa

O Diretório Central dos Estudantes Fernando Santa Cruz (DCE-UFF) publicou nota de apoio à greve dos técnico-administrativos. Confira a íntegra do texto divulgado pelo DCE-UFF:


"O Diretório Central dos Estudantes Fernando Santa Cruz da Universidade Federal Fluminense vem a público, por meio da presente nota política, construída coletivamente pela gestão 'Pra Virar o Jogo!', manifestar irredutível apoio à Greve deflagrada no dia 11 de Março pelo SINTUFF - Sindicato dos Trabalhadores em Educação da UFF.

 

NOTA POLÍTICA DO DCE DA UFF - AGORA É GREVE!

 

Após meses em negociações com o Governo Lula, que manteve a proposta de reajuste zero em 2024 para os salários dos servidores técnico-administrativos em Educação, e sem a perspectiva de reestruturação no que se refere ao Plano de Carreira da categoria, o SINTUFF, seguindo orientação da FASUBRA Sindical (Sindicato de Trabalhadores Técnico-administrativos em Educação das Instituições de Ensino Superior Públicas do Brasil), aprovou, em unanimidade, a deflagração de greve a partir do dia 11/03 por tempo indeterminado.

 

Assim, a UFF soma-se a institutos e universidades federais de todo o país na mobilização frente à   desvalorização da carreira, que não sofre um reajuste salarial desde 2017 (acumulando uma desvalorização de 53% nos salários), e contra a precarização das instituições federais de ensino superior. Além disso, outra reivindicação central dos servidores é a recomposição orçamentária das instituições públicas de ensino. Vemos como os sucessivos cortes dos governos Temer e Bolsonaro afetam o nosso dia a dia: são os prédios caindo aos pedaços, salas de aulas em contêineres, obras intermináveis, campus inacessíveis e laboratórios sem equipamentos. Para este ano, 7 milhões de reais do orçamento da UFF foram cortados. E um bloqueio na verba do PNAES não nos permitiu ter muitos avanços na assistência estudantil, deixando diversos estudantes sem os auxílios necessários para manter os seus estudos e sobreviverem. A nossa luta se conecta diretamente com a luta dos trabalhadores por mais orçamento para a universidade.

 

Sabemos que é apenas pela luta coletiva e organizada que conseguiremos fazer avançar nossas demandas. Dentro da Universidade, é na união orgânica entre trabalhadores e estudantes que encontramos a força capaz de mudar a realidade de quem estuda e trabalha nesse espaço. Nesse sentido, construímos diversas lutas com esses trabalhadores nos últimos semestres e com eles permaneceremos ombro a ombro, até chegarmos na educação pública, verdadeiramente popular e de qualidade que tanto sonhamos!

 

Foi através da nossa luta que conquistamos o Bandejão mais barato do país, a R$ 0,70, que tem refeitórios em 5 campi da sede, Niterói. Assim como as Moradias Estudantis de Angra dos Reis, Niterói e Rio das Ostras. Mais de 400 bolsas nos últimos períodos e a contemplação de todos os deferidos no edital de auxílio alimentação.

 

Nossas conquistas, no entanto, não são suficientes e ainda temos muito pelo que lutar.

 

Queremos a regulamentação do PNAES enquanto lei porque seguimos sem bolsa automática para estudantes cotistas. Queremos avançar nas cotas para a população trans e travesti, que tanto batalhamos. Bandejão, Moradia Estudantil e BusUFF precisam ser direito de acesso para todes e não de tão poucos. Nos campi em que contamos com estes serviços, os mesmos estão longe de atender a real demanda. Seguimos sem financiamento público para nossas pesquisas e projetos de extensão. Seguimos com vestibulares excludentes, que não incluem a realidade dos povos indígenas e quilombolas. Seguimos com condições precárias de acessibilidade que expulsam diariamente estudantes PCDs e neurodivergentes da nossa universidade. Estamos muito aquém da estrutura necessária para abarcar a diversidade de pessoas que entram na universidade. A realidade de ingresso e permanência no ensino superior segue sendo cruel com muitos dos nossos!

 

É sim necessário rememorar as vitórias do passado, mas para tirarmos delas o exemplo e a força de que é possível, hoje, reorganizarmos nossa luta e avançarmos no que ainda precisamos.

 

Demandamos muito mais, porque a UFF que queremos é aquela onde estudantes mulheres, mães e pais, LGBTIAP+, trans e travestis, negres, indígenas e quilombolas, PCDs e todes que compõem a diversidade que constitui nossa comunidade, possam entrar, permanecer e só sair da Universidade com seu diploma em mãos.

 

Com o peso de representar mais de 70 mil estudantes da federal fluminense, o DCE da UFF reafirma que a greve é um instrumento fundamental para arrancar direitos na situação tão precária de sucateamento que a UFF se encontra. Não podemos também ter um senso de normalidade com o orçamento de 2024 contando com 7 milhões a menos para a UFF em pleno governo progressista.

 

Tendo tudo isso em conta, nos comprometemos em lutar nos conselhos e ante a reitoria pelo abono das faltas, por um trancamento especial no fim do período e para que a reprovação não seja contabilizada no Coeficiente de Rendimento (C.R).

 

Diante inclusive da paralisação do Bandejão em Niterói e da dificuldade para garantir a nossa permanência na universidade sem conseguir se alimentar a R$ 0,70, já que nós estudantes dependemos dessa política de assistência estudantil para nos manter estudando, queremos discutir, em Assembleias Estudantis, quais saídas nós estudantes devemos ter para garantirmos nossa permanência.

 

Para mobilizar es estudantes, debatermos nossas demandas e politizarmos esse processo, convidamos as demais entidades e coletivos da UFF a declararem seu apoio à Greve, e a se somarem, junto ao DCE, na construção de Assembleias Estudantis em todos os polos, até o dia 29/03!

 

Todos os acúmulos das Assembleias serão fundamentais para chegarmos à posição que iremos adotar enquanto estudantes da UFF, a ser discutida no próximo COCADA - Conselho de CAs e DAs, que será convocado nas próximas semanas.

 

ZERO, EU NÃO TOLERO!

CONTRA A PEC 32!

PELA RECOMPOSIÇÃO ORÇAMENTÁRIA!

POR ACESSO E PERMANÊNCIA!

É ESTUDANTE JUNTO COM TRABALHADOR!

 

Atenciosamente,

 

DCE Fernando Santa Cruz

Gestão Pra Virar o Jogo!"





Comments


bottom of page